sábado, 27 de novembro de 2010

Três anos sem você, Pai!

Um dia me vi sentada em uma lata de tinta
Em meio às tralhas da garagem lá de casa
Seria um sonho?
Uma visão?
Ou uma doce lembrança?
Eu me emocionei...
Tintas, pincéis...ferramentas..
Tanta coisa misturada
Máquinas que eu nem lembrava mais
Eu, ali, sentada conversando...rindo
Perguntando besteiras...e você, Pai...
Com paciência e carinho respondendo
De onde fui tirar esta lembrança?
Por que ela surgiu assim na minha mente?
Eu era criança e você o herói
A imagem estava turva, mas depois ficou tão nítida
Assim como o que senti naquela época
Eu, ali, sentada na lata de tinta
Não imaginava nada sobre o futuro.
O tempo parou ali.
Eu poderia ser tudo, mas não queria
Queria ser criança pra sempre
A vida possibilitou um grande encontro
E pra que destruir?
É tão engraçado que momentos assim
Tão simples
Se tornem pra sempre
Uma lembrança dolorida
De uma vida tão doce e serena
Obrigada, PAI!!!!!
Pela conversa sobre bobagens...
Talvez, hoje, eu perguntasse se você está feliz
Se está bem, se tem saudades...
Três anos sem você...
Vida que perdeu um pouco da cor...
Que transforma muitas vezes dias de sol, em dias cinzas.
Lembrar da lata de tinta, da risada, do brilho em teus olhos
Faz com que meu coração consiga expressar um único sentimento:
Saudades, Pai...

Fica, aqui, a nossa dor e saudade neste aniversário tão triste que foi a tua partida.
Esperamos que esta mensagem chegue até você, juntamente com um lindo bouquet de rosas, em nome de nossa admiração e saudade. Esteja bem, Pai!

Cristiane e família